19 de outubro de 2017

Resetei a vida


Após 30 anos e 7 meses morando no mesmo endereço e com as mesmas pessoas (meus pais), casei!

Nesses 30 anos e 7 meses muita coisa aconteceu, claro. Destaque para o nascimento do meu irmão, quando eu tinha 10 anos, e a chegada do cachorrinho da casa quando eu tinha 20. Esse último, morreu um mês após meu casamento, mas sem relação com minha saída de casa, já que ele era efetivamente apegado aos meus pais.

O fato é que mudar de casa, de bairro e de convívio após tanto tempo, dá uma sensação de recomeço (certamente porque é mesmo). Ter compromisso com outra pessoa, desmamar dos pais, se afastar do irmão e saber que nunca mais verei aquele cachorrinho... Alterar dados cadastrais, estado civil, operadora de internet, instalações novas, novas instalações...

Meu cérebro está processando gradualmente tudo que tem acontecido nos últimos dias. Derramei lágrimas de alegria, distribuí sorrisos, me emocionei. Experimentei conquistas. Chorei de tristeza também (pela morte do cãozinho). Eu me mudei, vi meus pais mudarem, meu irmão mudar e nossas relações mudarem entre si. Os acontecimentos, perdas, ganhos e mudanças mexeram com todos.

Misturo esperança pelo futuro, empolgação pelo presente e nostalgia pelo passado. Tenho refletido sobre como apareceu uma curva tão grande na minha reta, e para onde a vida está me levando agora.

Claro que muito disso tudo foi planejado. O casamento, a casa nova e os momentos dessas mudanças foram sonhados, imaginados e agendados. Mas as implicações das decisões são, até certo ponto, um mistério revelado por partes. O impacto social de uma vida nova só se revela vivendo-a, sentindo-a. E é neste ponto que eu estou. Vivendo, sentindo o novo.

A vida de antes era espetacular. Mas chegou aquela hora de apostar em algo construído com participação direta das minhas ideias. Para isso casei com uma mulher honesta e com maturidade. A proposta é de reconstrução de vidas que não estavam destruídas. Acho que casamos no nosso melhor momento. Apenas achamos que o desafio de construir algo novo e bonito cabe em nossas mãos e traçamos essa meta.


Enquanto eu não preparo meu novo home studio e sequer tenho uma mesa pro computador, a produção de vídeos está interrompida. Resolvi postar esse texto só para "dar o ar da graça" e dizer que estou em reconstrução, trabalhando em novos projetos pessoais e esperando as novas emoções se acomodarem dentro de mim.

Nos últimos meses eu dei o maior passo da minha vida, inaugurei um novo caminho. Senti as maiores alegrias, vibrei pelas maiores realizações. Por outro lado, na morte do cachorrinho, senti também a maior das dores emocionais das quais me lembro até hoje. Estou me adaptando a uma casa sem o calor dos meus pais. Estou em êxtase por viver o amor com minha mulher.  Estou me adaptando a perdas e ganhos como nunca antes... Amadurecendo enquadrado pelas leis da vida.

Profissionalmente seguindo com meus trabalhos no rádio, na terceira maior audiência do horário nobre em João Pessoa segundo o IBOPE.

Pessoalmente estou sempre dando notícias em redes sociais virtuais, especialmente Instagram (OJoaoRocha).

E quando me sentir tocado, como agora, voltarei para compartilhar experiências e falar de vida com você - que eu nem sei quem é (pelo menos até você comentar), mas que provavelmente se interessa por mim ou por minha história. Sua atenção até aqui me prova isto. E me faz grato.

Até logo, se Deus quiser!

15 de agosto de 2017

A importância de um Like!

Alguém já te "mendigou um like"? Se você é um usuário assíduo da internet, eu posso apostar que já. Especialmente no Facebook, no Instagram e no YouTube esse pedido é repetido com frequência.

Like / curtir / gostar

O fato é que a expressão que não existia antes do século XXI passou a ser muito usada ultimamente e, se você ainda não refletiu sobre ela, quero te propor uma análise agora. É rápido e nós vamos por partes, feito Jack estripador.

Para agilizar ainda mais a reflexão, as partes 1 e 2 a gente mata. Vamos falar só do YouTube... Isso porque, além de ser onde mais se mendiga o like de forma direta, ao contrário de Facebook e Instagram, é uma rede de conteúdo onde só os fortes sobrevivem. 

No YouTube os seguidores esperam conteúdo. Ver um vídeo é mais demorado do que ler uma frase ou ver uma foto, e ninguém gosta de gastar tempo à toa. Um vídeo que não provoca reflexão, precisa pelo menos te dar um sorriso ou minutos de nostalgia, uma informação, matar uma curiosidade... Qualquer coisa que justifique a atenção. Lá, ao contrário do Facebook, não estão "amigos", mas telespectadores / consumidores da sua obra. 

O criador de conteúdo consciente dessa missão não envia qualquer coisa. Logo, se ele não envia qualquer coisa, ele tem trabalho. Se esforça pra comprar uma câmera de qualidade, investe num bom gravador de voz, tem computadores além do básico para manipular seus pesados arquivos de vídeo. Consome algumas horas de seu tempo reciclando as habilidades de edição, pesquisando tendências, oferecendo novidade.

E para que ele saiba que você aprovou esse esforço, nada melhor que ofertá-lo um "Like", apertar no dedinho pra cima e deixá-lo saber que você gostou ou ao menos entendeu aquela dedicação. Além disso, é pelo seu "gostar" que o vídeo acumula pontos para ser recomendado a outras pessoas. E o acúmulo de cliques pode levar seu produtor a um dia, quem sabe, até ganhar algum dinheiro e ter mais recurso e estímulo para gravar mais e melhor.

O YouTube é exigente para quem produz e para quem assiste. Portanto, nada melhor que um ajudar o outro. É a rede social estritamente de conteúdo, ao contrário de Insta e Face...

Apontar a câmera do celular pra algum lugar ou para si mesmo (self), depois dar dois toques na tela e compartilhar, talvez só não seja mais fácil do que escrever "bom dia" num fundo colorido automático e clicar em postar. Com esse tipo de "esforço" já se dá conta de um perfil (meio medíocre, é verdade) nas redes de Zuckerberg. 

A quem decidiu sobreviver no YouTube como um produtor de CONTEÚDO, seu like é muito importante. Por isso vos peço: sejais bondoso(a) e ao visitar-me em joaorocha.com/youtube (nosso humilde canal) não saias sem dar-me tua força, mendigo-vos um "like" e vos agradeço.

E se quiseres saber como me comporto em outras redes, estou também no Facebook, Instagram e Twitter. Não tenho compromisso em seguir por seguir, curtir por curtir, mas, tal como no YouTube, costumo postar para provocar reações. E de um modo ou cedo ou tarde interajo com quem me contacta.

Obrigado pela leitura!

Att.
João(Johnny) Rocha

9 de agosto de 2017

Encontro internacional

Neste episódio você vai conhecer um cara que eu conheci a partir deste humilde canal.

Marcelo Audi, assíduo telespectador dos nossos passeios, veio da Suíça para, pela primeira vez, passar férias no inverno de João Pessoa. Eu aproveitei e bati um papo com ele sobre como foram esses dias no Brasil. Na conversa estava também a filha do Marcelo, Alícia, que o acompanhou durante a viagem.

O vídeo tem também a gravação do percurso até o Manaíra Shopping, onde gravamos o encontro.

Confere, curte e comenta! ;)

http://www.joaorocha.com/blog
Instagram: OJoaoRocha
Twitter: OJoaoRocha